sexta-feira, 8 de junho de 2007

Review de Snakes and Arrows

Review de "Snakes And Arrows" [***1/2]

Antes de falar sobre o novo álbum do Rush, vou me colocar em relação a banda Canadense e a sua discografia.

Eu sou basicamente um fã Browniano da banda Rush (dos trabalhos produzidos em conjunto com o genial Terry Brown), do primeiro álbum até o álbum Signals e por causa desta fase ela é no mínimo uma das minhas três bandas de rock favoritas (ao lado do Black Sabbath com Ozzy e do Genesis com Peter Gabriel).

Mas (diferentemente de outras bandas favoritas) como os três patetas (Alex Lifeson, Geddy Lee e Neil Peart) nunca se separaram eu sempre mantive uma atenção especial na carreira deles, não necessariamente por esperar um novo momento mágico como (por exemplo) ao escutar o álbum Hemispheres pela primeira vez, mas talvez sim experimentar ao menos uma pequena centelha e uma certeza de que eles ainda estavam vivos e em forma e esperar ver um show deles. Após ver o show (aqui no Rio) a minha atitude não mudou muito e eu espero ver o próximo (risos). Resumindo: acompanhei quase que religiosamente a carreira deles, mas sempre com baixa expectativa quanto ao material novo a partir de certo ponto.

O novo álbum é o melhor desde Signals só levando em conta a produção, esquecendo todo o resto. Estava zapeando o catalogo do Rush nesta tarde justamente na porção entre os dois álbuns (Signals até Snakes And Arrows). E em praticamente cada faixa, que caia quase que ao acaso, dava de cara com algum arranjo horroroso de teclado (ou algo menos votado fazendo tal papel), trilhas fantasmas de vocais, partes equivocadas com cordas, pifios efeitos sonoros, crônica má captação da bateria (principalmente), timbres emasculados de guitarra, falta de peso etc. etc. Neste novo álbum simplesmente NÃO TEM NADA DISTO! Parece inacreditável, mas eles levaram 25 ANOS para se dar conta das inúmeras bobagens que fizeram neste meio tempo. Mas, antes tarde do que nunca...

Sobre o meu entusiasmo composicional (que fazendo a média das faixas como descritas, nem é tão grande assim...) a minha opinião pode ser vista abaixo, mas já sem dúvida nenhuma na minha mente o Nick (o novo e jovem produtor, fã confesso da banda) trouxe literalmente o power-trio de volta a vida. Porque o leitor acha que já se fala em outro álbum com ele? Talvez o Snakes And Arrows tenha sido só um teste... Vamos ver o que acontece.

Antes do comentário música a música, deixem-me responder a uma questão recorrente: qual a relação do Rush com o estilo Prog-Metal?

Sobre o estilo que muitos chamam hoje dia de Prog-Metal o Rush foi sem muita dúvida o pioneiro, é fato que alguns elementos primitivos de tal estilo podem ser encontrados mesmo no Jethro Tull ou no King Crimson setentistas, mas o Rush fez algo de fato sistemático e novo. Esta é a sua grande contribuição para a História do Rock. Ele criou um novo sub-gênero. Entretanto, dependendo da banda de Prog-Metal considerada, uma grande influência da banda americana Kansas também pode ser identificada eventualmente. O Kansas é outra banda importante e influente, porém muito esquecida (infelizmente).

---

Impressões das músicas do novo álbum com notas de 0 a 10 (o melhor desde Signals):

Far Cry (07/10) Eu não diria que é a música mais acessível para um público genérico, ela é sim uma boa maneira de vender o álbum para um público já de fãs do RUSH, por ser o que normalmente se espera de uma nova música da banda. Mais do mesmo sim, mas muito bem feito e os violões e os solos cheios de feedback já se fazem presentes.

(Examinem os elementos vintage do arranjo de bateria de Neil Peart ao longo desta faixa: "chimbal aberto + rim-shot" , "padrão de duas mãos no chimbal" , "padrão de ride com chimbal remoto no contra" e "levada construida a partir de paradidles para o refrão". Mais "vintage professoral" impossível!)

Armor & Sword (10/10) A faixa título é o primeiro grande momento do álbum, destaque para Peart que se permite experimentar com o pedal duplo agora na criação de levadas e ainda descola um inspirado "Jungle Groove" após a segunda repetição do refrão que revitaliza a música até o seu final.

(A letra é maravilhosa e a frase "No one gets to their heaven without a fight" promete ser a mais presente nas camisetas dos fãs na nova turnê. Grande interpretação de Lee em uma música que melhora a cada audição.)

Workin' Them Angels (07/10) Influência sessentista (será devida ao trabalho anterior de estúdio da banda, o EP, só de covers de músicas que influenciaram o início de carreira do Rush, Feedback?) em uma boa canção, mas dificilmente algo excepcional. Vale mais por acrescentar variedade ao repertório da banda.

The Larger Bowl (03/10) Esta também parece meio sessentista e talvez seja o ecletismo que pareceu menos genuíno em todo o álbum (e os arranjos vocais de Lee beiraram o ridículo aqui).

Spindrift (08/10) Hipnótica e atmosférica são as melhores descrições da mais pesada faixa do álbum. Se mantivesse a mesma intensidade o tempo todo seria um fácil 10.

The Main Monkey Business (10/10) Esta surpreende, pois não é o que se esperava dela, algo cheio de notas e frenesi. A faixa é belíssima. Soa mais como um tributo ao progressivo setentista e uma sincera homenagem de Lifeson a Steve Hackett e Martin Barre (sem contar no riff quase Sabbathiano que entra pela primeira vez em 00:50, é claro). A forma como Peart harmoniza toda a sua bateria para o arranjo, por vezes desligando a esteira da sua caixa para dar uma intenção mais tribal, é absolutamente magistral!

The Way The Wind Blows (10/10) De uma introdução completamente blues (que se segue a um surpreendente prelúdio na bateria) sai a melhor faixa do álbum. Tem de tudo desde um groove muito pesado para os versos e um refrão que fica mais bonito a cada vez que é repetido (o arranjo vai ficando cada vez mais cheio). A marcação de Peart é impressionante sem dar folga em momento algum e o solo de Lifeson é até brincadeira. 10 com louvor!!!

Hope (08/10) Inusitado momento (de uma instrumental só com violões em um álbum de estúdio do Rush), e o mais incrível é que funcionou muito bem. Provavelmente por ser o violão tão dominante (teria sido mesmo conselho do David Gilmour do Pink Floyd?) ao longo de todo o álbum. Parece ter uma influência Celta filtrada via Jimmy Page.

Faithless (06/10) Depois de uma introdução inusitada com Hope, acho que a letra de Faithless merecia uma música melhor. Parece feita de sobras do Vapor Trails (o fraco álbum anterior de músicas inéditas da banda). É até bem tocada, mas a composição é absolutamente medíocre. Devo admitir que ela já cresceu um ponto comigo (e ao vivo pode crescer ainda mais), mas definitivamente não uma favorita no momento (apesar do solo de Lifeson ser bem legal...) .

Bravest Face (09/10) Letra e música se combinam em fina ironia, no mais bagaceiro momento do álbum. O solo de Lifeson consegue o impossível, bater a sobrenaturalmente "levada" levada (risos) de Peart. E o que foi aquele violão solitário no inicio? Amei, que safadeza gostosa...

Good News First (03/10) Segunda mais fraca do álbum. Começa a parte do verso de uma forma horrorosa, lembrando os piores momentos do Vapor Trails (o groove introdutório parece também chupado do Counterparts por falar nisto) até que um pós-refrão hiper-melódico dá vida a este marasmo, pena que é muito pouco e muito tarde.

Malignant Narcissism (08/10) De longe a a música mais original do álbum (Geddy Lee tocando em um baixo elétrico sem trastes já é histórico por si só), que só não leva 10 por ser muito curta, especialmente devido a descartável paródia de YYZ, mais para o seu final. Uma versão de uns dez minutos (EXCLUINDO a mencionada paródia) desta música seria perfeita como bônus (tirando a lamentável We Hold On do álbum é claro) .

We Hold On (01/10) De longe a mais fraca do álbum, deveria ter sido excluída para dar lugar a uma versão maior de Malignant Narcissism (nos termos já mencionados). Seu inicio remete a Between Sun & Moon do Counterparts e é apenas o começo da mais pura reciclagem. Peart decepciona especialmente aqui pela total falta de inspiração (tem um particular lick de bumbo duplo que REALMENTE já deu o que tinha que dar e que é repetido diversas vezes nesta faixa).

Review de "Snakes And Arrows"

Nenhum comentário:

Postar um comentário